GUIDO DRUMMOND

"Atualmente, uma das mais proeminentes tendências globais é certamente a consciência de

que este mundo é um organismo uno e vivo, onde é preciso, e desejável, (re)estabelecer um

convívio harmonioso entre as pessoas e os espaços em que elas habitam, sejam esses

naturais ou humanizados. Basta olhar para as inúmeras iniciativas de proteção e

preservação do ambiente, de reconversão energética ou de reciclagem de materiais usados

para perceber que a ideia de que o homem e o seu habitat devem coexistir numa sintonia

de atitudes e objetivos é hoje um dado cultural e espiritualmente adquirido. "

 

Guido Drummond

Guido Drummond é artista autodidata que, durante 17 anos, teve uma empresa familiar de event management em Lisboa, e através dela manifestava a sua arte em cenografias, adereços, figurinos, textos, pinturas faciais e corporais, decoração de eventos, pinturas e decoração de paredes, fotografia, serigrafia, etc. Mais tarde, em 2010, começou a «reciclar».

 

No entanto, sentia-se desconfortável com esta descrição e, procurando uma conceptualização teórica para o seu trabalho, deparou-se com o conceito de upcycling (Reine Pilz, 1994; Michael Braungart, William McDonough, 2002) com o qual se identificou imediatamente. Na vanguarda desse movimento artístico, (re)definiu o seu trabalho como upcycling art , e abriu um dos primeiros ateliês do género em Lisboa, Portugal, e em Campo Grande, MS, Brasil.

 

Tendo encontrado a sua essência, assume-se primeiro como Lord Trash, e mais tarde como Lord Drummond, um artista e designer polivalente, capaz de trabalhar em carpintaria, marcenaria, serralharia, soldadura, eletricidade, estofamento, costura, pintura, escultura e desenho, entre outros.

 

O trabalho leva-o ao encontro de objetos em desuso, esquecidos no sótão, depositados na cave, guardados na garagem ou destinados ao lixo. Acarinha-os e escuta o que contam. Descobre a beleza e os valores que estão para além do seu destino imediato. E empenha-se num trabalho de makeover que lhes inspira uma vida nova, ao passo que o processo criativo desenvolvido entre o artista e a peça se traduz numa forma artística complementar: um poema ou um texto em prosa, palavras inspiradas na peça, palavras inspirando a peça, uma troca constante em que o Verbo e a Arte se impregnam

 

OBRAS

"A Very Dificult Situation" 2010 sculpture/installation  60x50x95cm

"La passion" 2010 sculpture/installation 60x90x45cm

"Hot Blowing Horn" 2010 sculpture/installation 100x35x30cm

"Brazilian Cerrado Pearls" 2010 sculpture/installation  60x60x115cm

"Cabbage Color" 2010 sculpture/installation 45x50x86cm

"Half bath" 2010 sculpture/installation 60x150x45cm

Para mais informações sobre estas obras por favor contacte-nos através do seguinte e-mail: portugalnow2015@gmail.com

© BORDERLAND 2016

Mara Alves PortugArt Founder

Tel: +44 (0) 7425089060

E-mail: portugalnow2015@gmail.com

SOCIAL MEDIA

Com o apoio da Embaixada Portuguesa